Um Cinturão, Uma Rota e Um Rio: Caminhos Regulatórios para os Negócios entre China e Rio de Janeiro

07 mai

A Escola de Direito do Rio de Janeiro (FGV Direito Rio) e a Associação Brasileira de Empresas Chinesas (ABEC-CCPIT) realizaram, no dia 7 de maio de 2019, o seminário “Um Cinturão, Uma Rota e Um Rio: Caminhos Regulatórios para os Negócios entre China e Rio de Janeiro”. No evento, os convidados promoveram debates acerca dos desafios para o desenvolvimento de projetos nas áreas de energia e de infraestrutura, tanto social quanto urbana, no Rio de Janeiro, em parceria com a China. o pano de fundo foi a ideia de fazer do Rio de Janeiro a cidade brasileira de conexão com a Nova Rota da Seda.

 

O seminário reuniu acadêmicos, advogados, empresários e autoridades e contou com renomadas personalidades, como Sergio Quintella, Vice-Diretor da FGV; Sergio Guerra, Diretor da FGV Direito Rio; Li Yang, Cônsul-Geral da China no Rio de Janeiro; Yang Wanming, Embaixador da China no Brasil; Wang Yansong, Presidente da ABEC e da XCMG Brasil; Song Lei, Presidente do China Development Bank; Chang Zhongjiao, Presidente da State Grid Brasil; e Evandro Menezes de Carvalho, Coordenador do Núcleo de Estudos Brasil-China da FGV Direito Rio.

 

Segundo Evandro, “o Núcleo está em um processo gradual de construção de sua agenda. Temos realizado um grande seminário a cada ano, diversos encontros com delegações chinesas e participação em diversos eventos na China”. Desde 2013, ele dedica-se aos estudos sobre a China, ano em que o professor iniciou a sua temporada de pesquisas no âmbito do Programa OEA-China Scholarship Council. “Inicialmente, estive vinculado à Universidade de Shanghai como senior scholar e, em seguida, fui convidado para trabalhar no Center for BRICS Studies da Universidade Fudan. Nesses três anos, dediquei-me ao estudo do idioma chinês e do sistema jurídico-político da China, bem como da relação com o Brasil, tanto no plano bilateral como no multilateral, com ênfase, nesse caso, no BRICS e no Novo Banco de Desenvolvimento”, relembra.